segunda-feira, 8 de outubro de 2012

O José Castelo Branco existe, pai?


O meu filho está a crescer, já tem oito anos e no outro dia, ao mexer em brinquedos "velhos" que tinha recebido no último Natal, lá fez a pergunta inevitável:

- Oh pai, o José Castelo Branco existe mesmo na realidade, não existe, pai? 

(Silêncio)

Uma pessoa pensa que está preparada para estas perguntas mas não está... Só quando elas são feitas é que a gente vê como elas mordem... O que é que se responde nestas situações? Mantém-se o miúdo na ilusão ou esclarece-se logo tudo de uma vez? Fiquei naquela, engonhei um bocadito e acabei por resolver tentar mantê-lo na ilusão:

- Não filho, claro que não existe! Quem é que te anda a meter essas ideias na cabeça?

O miúdo é esperto e não se ficou com a minha resposta:

- Mas oh pai, eu vi-o ontem no “Você na Tv” a ser entrevistado pelo Manuel Luís Goucha…

(Silêncio)

- O filho, mas esse também não existe mesmo na realidade. É a brincar, aquilo é tudo a fingir filho…

Um gajo fica à rasquinha… Tentei ser o mais convincente que pude… Acho que ainda é cedo para o miúdo tomar consciência das coisas, ainda é cedo para deixar de viver num mundo de fantasia, cor, sonhos e ilusões próprio da infância… Ainda é cedo para crescer… É preciso dar tempo ao tempo… Não se pode dar assim uma “lambada” destas ao miúdo, que nem nove anos fez ainda…

- Mas oh pai, olha que o Carlinhos da minha sala já me disse que o pai dele lhe disse que ele existe mesmo na realidade, só não se sabe se é homem ou mulher, mas que isso hoje em dia já pouco importa, porque a medicina está muito evoluída...

(Silêncio)

Não está fácil a minha vida de pai, ãh?! Lá lhe disse, se era assim, para ir perguntar ao pai do Carlinhos da sala dele que eu já tinha dito tudo o que eu sabia sobre este assunto… O puto basou para o quarto e eu estava convencido já que a paz voltaria a reinar lá em casa… Até porque a minha mulher não estava… (Pausa) Estiquei-me no sofá e aparece-me a minha filha, que tem dois anos, e deitou-se à minha beira. Começo a fazer zapping e quem é que me aparece na televisão? (Espera pela resposta da plateia) Isso mesmo, nem mais, o José Castelo Branco a apresentar um trabalho musical – bom, quer dizer, não era trabalho nem era música, mas em todo o caso -… Enfim, a miúda viu aquilo e começou a dizer, muito triste:

- Oh pai, a menina tem dói-dói?!

(Silêncio)

Eu disse:

- Oh filha, não… A menina tá a dançar e a cantar… Está contente…

E a miúda, cheia de pena, a insistir:

- Tem dói-dói, papá… A menina tem dói-dói…

Enfim, desliguei a televisão e no dia a seguir reuni toda a família e, de surpresa, vesti-me de José Castelo Branco e apareci na sala… Os miúdos já se sabe, nestas alturas, uns choram outros pulam de alegria a perguntar pelas prendas… Depois, de repente, tirei o disfarce e disse:

- Sou eu, o papá!


Enfim, passaram-se algumas semanas em que as coisas estiveram mais calmas até que ontem o meu mais velho voltou à carga:

- Oh pai, o Carlos Castro foi pró Jesus?

(Silêncio)

Um gajo fica abananado! Não sabe o que há-de dizer nestas situações… Eu disse-lhe:

- Outra vez com essas coisas, filho?

E ele:

- Diz lá, pai… Foi?

E eu, relutante:

- Oh filho, a última vez que ouvi falar desse assunto, ele tinha ido para Nova Iorque…

- Então e Nova Iorque fica no céu, pai?, diz o puto a rasgar…

E eu:

- Oh filho, e eu é que sei?!

E ele:

- É verdade que quando morremos, vamos todos para Nova Iorque?

Foi aí que eu desisti, peguei nas trouxas e vim para aqui. Ao menos vocês não me fazem perguntas parvas e difíceis… Mesmo que vos apeteça muito… Agora tenho de ir, beijinhos fofos…

(Volta-se e dirige-se para fora do palco. De costas para a plateia, esta apercebe-se de que as calças de ganga do humorista não têm parte de trás, deixando a nu um fio dental com rendinha… A plateia reage naturalmente com risos, aplausos e apupos… O actor vira-se para trás e pergunta:)

- Vocês também? Não me digam que vão começar agora com perguntas difíceis?

(Abandona a sala a barafustar. Regressa depois para agradecer ao público. Sai.)
Guião para stand-up


Adenda: Ofereço este texto para stand-up comedians debutantes; Podem usar à vontade nos vossos primeiros espectáculos. A única condição é que me avisem através da caixa de comentários deste blog do dia e hora dos espectáculos, para eu poder ir assistir. Não hesitem nem sejam orgulhosos. Como é que vocês acham que o Bruno começou? Foi aqui...

Nenhum comentário:

Postar um comentário